quinta-feira, janeiro 24, 2013

As fitas para clareamento dispensam o acompanhamento profissional?



http://www.oralb.com/brazil/products/Oral-B_Fitas_Branqueadoras/#gallery-0

Há pouco tempo surgiu no mercado brasileiro um produto para uso caseiro que, de acordo com o fabricante, é citado da seguinte forma: 

"Dentes visivelmente mais brancos em três dias. Resultados ainda mais extraordinários em uma semana garantido. Seguro para o esmalte dental: eficiente ingrediente branqueador, que não causa dano ao esmalte, usado por dentistas."
(http://www.oralb.com/brazil/products/Oral-B_Fitas_Branqueadoras/?gclid=CJ7Ci5algbUCFQcHnQoduXkAdg)

Inevitavelmente surgem algumas questões: 

  • Ainda é necessário ir ao dentista para fazer o clareamento?
  • Todos, sem exceção, podem fazer clareamento dental?
  • Os agentes clareadores são cosméticos, ou seja, podem ser vendidos em farmácias, supermercados,  internet etc sem qualquer tipo de controle ou fiscalização?
  • Um produto com custo significativamente menor é realmente tão eficaz quanto um tratamento realizado com indicação, planejamento e monitoramento profissional?


Como profissional da Odontologia, com formação específica na área de Dentística, ou seja, especialidade que estuda diretamente todas as questões relacionadas aos agentes e técnicas clareadoras, gostaria de esclarecer e discutir alguns pontos:

1. O clareamento caseiro não apresenta indicação irrestrita. Em alguns casos, o paciente não poderá fazer o procedimento ou, no mínimo, terá que adiá-lo até que outros problemas sejam resolvidos (cárie, gengivite etc). Não necessariamente estes problemas bucais são acompanhados por sintomas, sendo assim, o paciente poderá apresentar situações que contra-indiquem o clareamento e como ele saberá antes de comprar o produto de auto-aplicação se não há a indicação de um profissional qualificado?

2. Realmente, o agente clareador existente no produto Oral-B Whitestrips (peróxido de hidrogênio a 10%, de acordo com as especificações do fabricante) é utilizado na técnica do clareamento caseiro supervisionado. Nesta técnica, a literatura científica recomenda utilizar o peróxido de carbamida nas concentrações entre 10 e 16% ou o peróxido de hidrogênio nas concentrações entre 6 a 7.5%. Neste caso, o produto em questão utiliza uma concentração um pouco maior do que a recomendada cientificamente para uso caseiro. 

3. Na técnica do clareamento caseiro supervisionado por dentista o agente clareador é colocado em uma moldeira personalizada, ou seja, confeccionada após moldagem das arcadas do paciente. Dessa forma, é indiscutível a melhor acomodação do material, sem que haja extravasamento do mesmo para a gengiva, o que poderá promover irritações. Além disso, haverá menor deglutição do material, maior contato do mesmo com o esmalte dental e a possibilidade de aplicação em todos os dentes. As fitas clareadoras abrangem normalmente os dentes de canino a canino, ou seja, os seis dentes anteriores.

4. Os agentes clareadores têm como efeito adverso a sensibilidade dental durante o tratamento e esta sensibilidade varia de acordo com vários fatores que só um profissional qualificado poderá identificar para ajustar o tipo de técnica e a concentração do produto, pois o nível de sensibilidade precisa ser encarado como um alerta da polpa (tecido dentário responsável pela vascularização e inervação dentária).

5. Há ainda os casos de manchamentos mais severos que podem não responder aos agentes clareadores ou haver a necessidade de associação de técnicas para que tenhamos um resultado efetivo.

6. A literatura científica demonstra que as técnicas clareadoras são seguras e não promovem danos desde que sejam respeitadas questões como correta indicação e uso das mesmas. A auto-aplicação sem supervisão profissional pode levar ao uso em casos contra-indicados ou ao sobreuso, pois se o mesmo é vendido livremente uma pessoa desinformada poderá utilizá-lo rotineiramente. Quais seriam os danos? Pergunta sem resposta científica, ou seja, baseada em evidências...

Existem estudos científicos avaliando a efetividade e a segurança do uso das fitas clareadoras, contudo, em todas estas pesquisas questões preliminares foram determinadas e o acompanhamento profisssional foi imprescindível. A principal questão associada a toda esta discussão é: o que está em jogo não é a capacidade do produto em promover o clareamento, mas sim o risco da sua utilização sem a orientação e o acompanhamento profissional. Pensem nisso...